terça-feira, 5 de setembro de 2017

Saio ao meu pai ....

Sou tudo aquilo que não queria ser uma cópia de um Homem que nunca admirei, que nunca amei. O meu Pai.
Acho que é a primeira vez que escrevo sobre a criatura.
Com o passar dos anos eu não passei nas provas de sobrevivência. Agora entendo-o quando ele dizia que adorava viver no mente rodeado só por animais, agora entendo porque ele se foi fechando até não conseguirmos ver nada para dentro. É uma criatura sofrida, uma fera ferida que encontrou a melhor maneira de se esconder e proteger de sofrer.
Eu estou uma besta igual a ele, quanto mais sozinha melhor, só ainda não desapareci porque tenho a minha filha.
Quando eu digo desaparecer não é algo de negativo para mim, é refugiar-me num lugar meu, onde nenhum ser chegue e perturbe a minha paz, a minha loucura os meus sonhos, tentei ser normal mas não consigo.
Sou uma lunática e vou ser sempre. Não tenho companhia embora esteja rodeada de gente.
Ninguém me entende, nunca fui entendida, disfarcei sempre o melhor que pude a minha loucura, mas já não dá mais.
Portanto aqui fica o segredo sou louca e má como o meu pai (já me disseram isto num momento de nervos, pediram-me desculpa, mas eu sei que o disseram do coração) é que a minha vida está a passar e eu não me realizo de forma alguma, eu não sou eu, e vivo em função dos outros que deveria amar daqui até á lua e amo, mas preciso de mim. e ninguém entende este filha da puta de pensamento.
Tenho sempre que pensar em contas, no bem estar de a, b e c e d....
Estou farta!

Portanto ao fim destes anos todos descobri a quem saio... á besta do meu pai....

4 comentários:

  1. Definitivamente... tenho de voltar aos blogues...

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. todos somos diferentes, por mais iguais que nos apelidem, pois só assim se entende o crescimento...acho eu :-)

    ResponderEliminar
  4. Saudades de te ler! Penso que também tu sentes saudades de ti mesma! Beijo

    ResponderEliminar